conteúdo da página

Diário de Bordo #017 – Desventura

Acordamos com um dos nossos estais que segura o mastro principal, prestes a se romper, amarramos tudo com os cabos adicionais possíveis e passamos muita fita no estai para tentar controlar a situação.

Agora temos a difícil tarefa de segurar os nervos, vamos até Nassau, uma velejada de 4 horas nos separam de alguma civilização e um eventual socorro mais rápido.

Felizmente o mar esta muito calmo com pouquíssimo vento e chegamos bem em Nassau, chamar o controle do porto para pedir autorização e seguir no canal estreito, passar por baixo das duas pontes é uma emoção extra que causa tensão misturado com emoção.

Estamos em Nassau nas Bahamas com um estai rompido, conseguimos ancorar sem dificuldades e chegamos seguros, que vitória.

Agora é procurar uma solução que nos atenda, descer o bote de apoio e descobrir que o motor que temos com propulsão a gás propano é muito fraco, vamos a passo de tartaruga para a terra, o pequeno botijão de gás propano acaba rápido e a reposição é bem cara, com isso acabamos de descobrir que a troca do motor do bote de apoio acabou de entrar para a lista de prioridades, temos que ter uma forma segura de ir e vir da terra para o barco e do barco para a terra.

 

 

Vejamos esta lista agora.

Trocar todos os estais, se um rompeu a probabilidade de que os outros estão no limite do desgaste é muito grande

Verificar nosso leme, um barco sem leme fica a deriva, nosso capitão acha que ele precisa de atenção

Não temos geladeira a bordo, uma geladeira é bem interessante de se ter, quem não gosta de uma cervejinha gelada.

Instalar um binini para termos sombra no cockpiet e ao mesmo tempo um lugar adequado para instalar os painéis solares

Isso me faz lembrar que é importante instalar os painéis solares, precisamos de energia a bordo para os instrumentos de navegação bem como as luzes de sinalização do barco, assim não ficamos tão dependentes do alternador do motor

Também precisamos instalar um davidsm algumas pessoas chamam de turco, ele fica na parte de trás do barco, uma espécie de garagem para nosso bote de apoio e assim facilitar o recolhimento dele, é preciso manter o bote em local seguro para evitar os espertinhos de plantão além de que é mais um lugar muito bom para a instalação do painel solar ou do gerador eólico.

Algo que nós queremos muito é ter um whater maker. ou dessalinizador de água e assim deixar a vida bem mais fácil a bordo.

Também queremos um deck ao lado da escada de acesso para facilitar a entrada e a saída do bote de apoio.

Sabemos bem que todas estas coisas requerem nossa atenção e precisamos decidir em ordem de prioridade o que vem primeiro, como falei para alguns dos itens citados é complicado decidir em que ordem ele está inserido na lista, o que é mais importante?

conseguir ir e voltar em segurança? ter estais confiáveis? o leme? energia? água sempre a disposição?

alguns dos itens acabam sendo óbvios em que ordem elas vem, por exemplo, não adianta eu ter um dessalinizador se não tenho energia para tocá-lo.

e também sabemos que segurança vem acima de conforto.

São todos os detalhes que acabam deixando um recomeço menos romântico, como é bom já ter tudo resolvido e só curtir, mas este não é nosso caso, agora estamos ancorados em meio as Bahamas em um lugar que deveria ser paradisíaco confesso que estamos com dificuldades de curtir.

Nosso acesso a energia é precário o que torna nossa ancoragem menos segura, estamos improvisando as luzes noturnas. Ir para a Marina é inviável economicamente.

O certo é que a cada dia a nossa situação melhora um pouquinho, são pequenos passos de neném.

 

até o Diário de Bordo #018

Voltar para o Diário de Bordo #016

 

Deixe uma resposta