conteúdo da página

Diário de Bordo #7

Dia 06 de dezembro de 2020 – domingo – fim do delivery

Acabou a aventura com o casal Ike e Caroline, uma entrega que deveria levar no máximo 20 dias chegou a incríveis 44 dias.

Finalmente conseguiram tirar o barco dos Estados Unidos, atravessar o canal e chegar nas Bahamas, infelizmente aparece um problema e o barco começa a fazer água levando o casal ao limite do stress. Apesar da situação inexplicável e muito confusa eles conseguiram levar nosso veleiro em segurança até uma marina e retirá-lo da água salvando a situação.

O barco está no seco, foi tirado da água e eles precisam voltar aos Estados Unidos, já passou muito do prazo que tinham para levá-lo até a Republica Dominicana onde nós poderíamos embarcar sem problemas maiores, eles tem outras obrigações e não conseguem mais cumprir com a promessa de levá-lo até o ponto combinado. Como está difícil calcular o tempo e o custo que leva para corrigir o que quer que tenha acontecido, eles resolvem que agora é conosco. Mas antes de partirem em definitivo o que será em dois dias eles vão fazem uma ultima checagem em nosso veleiro para deixar tudo guardado e trancado.

Nosso veleiro está em Freeport nas Bahamas e por mais complicado que seja, é um lugar onde podemos chegar, agora o desafio é encontrar um caminho que nos leve até Freeport sem passar pelos Estados Unidos.

Obrigado Ike e Caroline por seu cuidado até aqui, fizeram um bom serviço em nosso veleiro, muitos pequenos problemas resolvidos, o veleiro agora está seguro para travessias em alto mar, com certeza vamos resolver o que quer que tenha provocado a entrada da água em seu porão.

Dia 08 de dezembro de 2020 – terça feira – o que aconteceu

Assim que o Stewart ficou sabendo através das redes sociais o ocorrido, ele manda uma mensagem ao Ike por whatsapp.

eis a origem, esta é a peça malvada que provocou tudo.

 

Último relatório do casal – Ok, hoje descobri o que aconteceu, a história de Stewart ajudou muito.

A pequena bomba de porão descarrega abaixo na popa do barco, na linha d’água ou abaixo dela. Ele relatou que quando as baterias morreram o barco começou a fazer água, assim que ele ligou a rede de terra, as baterias começaram a recarregar, a bomba do porão ligou e esvaziou o porão. Acredito que, assim que o porão está vazio a bomba pára automaticamente, a água começou a sifonar de volta até que o interruptor do flutuador do porão liga a bomba e esvazia o porão novamente, uma e outra vez. Sem energia da costa, as baterias acabam se exaurindo e a água continua entrando.
Quando tentei, a bomba de esgoto manual não funcionou, então instalei uma bomba de 2.000 GPH e adicionei um T na mangueira de descarga da bomba manual, liguei a bomba e o porão começou a esvaziar, então 5 segundos depois desliguei a bomba grande nova. O que descobri hoje é que a mangueira de descarga volta para uma NOVA através da válvula do casco, MAS a válvula é fechada e a mangueira é cortada a 3” da válvula e o encaixe da espiga da mangueira não está instalado. Quando cheguei à marina me pediram para desligar toda a energia, eu desliguei, eles levantaram o barco, mas não havia água saindo dele. Cerca de uma hora depois voltamos ao barco e ligamos a alimentação de 12 volts, a pequena bomba de esgoto automática não funcionou, segui os fios da bomba e encontrei uma conexão corroída solta, limpei e a pequena bomba começou a esvaziar o porão, cerca de uma hora depois a bomba parou automaticamente porque o porão estava vazio. Então o que aconteceu, a pequena bomba não ligou quando o interruptor da bóia foi ativado pela enchente causada pelo efeito da sifonação, quando ligamos a bomba de 2.000 GPH ela ligou, mas apenas descarregou de volta para a popa do barco, somente quando eu adicionei a 3ª bomba, estabilizamos o nível da água, que começou a diminuir lentamente. Então, qual lição aprendi e quero compartilhar, verifique se a bomba de 2.000 GPH está descarregando no mar, instalar um disjuntor de vácuo no alto do barco para evitar sifonagem e, o mais importante, ADICIONAR um alarme de água do porão ruidoso para receber um aviso antecipado de um problema.

 

Não ha dúvidas de que é uma grande lição para todos.

 

até o Diário de Bordo #8

voltar o Diário de Bordo #6

2 thoughts on “Diário de Bordo #7

  • 2 de janeiro de 2021 em 12:18 PM
    Permalink

    “instalar um disjuntor de vácuo no alto do barco para evitar sifonagem”

    “Disjuntor de vácuo” me pareceu ser uma “válvula de retenção” hidráulica,
    portanto nada relacionado ao disjuntor de eletricicidade.

    Já ia sugerir justamente isso: a instalacao de 2 valvulas de retenção em série
    na saida de água da bomba (pra evitar o retorno). É bom verificar essas
    valvulas periodicamente.

    Enfim, chegaram. Heeee!

    Me pareceu que voces deram muita sorte em conseguir a ajuda do Ike e
    da Caroline.

    Estamos aguardando as velejadas com o Capitão Max e sua “imediata” kk

    []s

    Resposta
    • 4 de janeiro de 2021 em 2:36 AM
      Permalink

      logo estaremos iniciando as aventuras neste sentido.. nossas velejadas, hehe.

      Resposta

Deixe uma resposta