conteúdo da página

Diário de Bordo #012 – Dia a dia no Veleiro

Em um bom dia você acorda sem surpresas, vai ao banheiro escovar os dentes e lavar o rosto, toma seu café, senta para apreciar o nascer do sol.

Em um dia não tão bom assim, você acorda com um barulho diferente que não deveria estar ali.

Morando em um veleiro, você está constantemente atento, cada balanço, cada ruído, cada luz diferente que acende no painel, tem um significado que não pode ser ignorado.

Depois vem algumas perguntas tipo:

O que foi que aconteceu de diferente?
Porque isso está acontecendo?
Quanto tempo está assim?

Pois é. neste caso nossa sorte foi que não foi um despertar ruidoso, mesmo porque não é um  ruído, mas uma luz insistente no painel. Porque ele está ligado? e o mais intrigante, a luz indica o acionamento da bomba de porão que deveria estar funcionando, hum deveria, mas não está.

Em uma busca rápida, descubro que o contato está solto, mas porque? O barco está no seco, ele balança com o vento mas não é nada muito violento. E eu pessoalmente tinha religado os contatos, depois de limpar o *zinabre ou azinhavre como queira.

Bem, o mais importante é, descobri o motivo e religuei o contato, a bomba acionou imediatamente e esgotou a água que esta acumulada no porão.

A sim, se você está se perguntando porque tem água no porão visto que arrumamos o vazamento?

A resposta é simples, reabastecemos o sistema de água e quando os tanques estão com água demais ele se auto nivela eliminando o excesso, que vai para o porão.

Estaria tudo muito bem se logo no dia seguinte não tivesse acordado com um ruído diferente. Havia um ruído muito estranho no barco, a isso havia.

Rapidamente descubro que nossa querida bomba de porão está ligada e,, tentando puxar água, ela teria sucesso se tivesse água no porão, a luz no painel indicando o seu acionamento automático e eu sem saber como desligar o sistema, volto a fazer o que não quero, apelar para os contatos e soltá-lo depois de tanto esmero em conectá-los. Ela para de rugir mas a luz no painel não desliga.

A vontade de ignorar o assunto é grande, esse assunto de bomba de porão já se esgotou, só que ninguém avisou ela, a querida bomba.

Como disse antes, não podemos ignorar nada que acontece em um Veleiro, a sua segurança depende da sua atenção.

Começamos a seguira a lógica. Existem duas bombas no porão, uma delas é a bomba grande que não está ligada, ainda, trabalho para mais tarde, esta é acionada apenas em casos de urgência e por enquanto direto nas baterias, ao contrário da pequena, esta está ligada e é acionada automaticamente sempre que a água no porão sobe a um nível específico, isso só pode significar uma coisa, existe um sensor que aciona a bomba pequena mas, onde ele está? nunca o vimos antes, e porque ele acionou a bomba pequena?

Agora subitamente me lembro de que ao contrário do que pensei, algo aconteceu no barco sim, e deve ter gerado todo esse transtorno, eu mesma perturbei o equilíbrio das coisas quando fui buscar imagens para o vídeo no qual trabalhava.

Ao menos isso nos deixa mais cientes do funcionamento do barco, não foi muito difícil encontrar o sensor a não ser pelo fato de que trata-se de um fio preto em um buraco escuro, mas assim que localizado e seguindo o mesmo percebemos que o sensor estava de fato mergulhado na água abaixo da bomba pequena, foi só inverter as posições e todo o problema ficou resolvido.

E assim os dias passam, a cada dia descobrindo mais um dos tantos mistérios do nosso veleiro, montado por outros a muitos e muitos anos.

 

Até o Diário de Bordo #013

Voltar ao Diário de Bordo #011

 

*Chamada de zinabre por alguns, ou de azinhavre por outros, a oxidação que ocorre nos materiais externos da bateria do carro é um problema razoavelmente comum e bastante nocivo para a vida útil das partes elétricas. No entanto, o problema nem sempre recebe a devida atenção de seus donos. Limpe com água de preferencia morna.

 

2 thoughts on “Diário de Bordo #012 – Dia a dia no Veleiro

  • 4 de fevereiro de 2021 em 6:45 AM
    Permalink

    Tentar encontrar erros em projetos de outrem, em máquinas que estão em trabalho ha muito tempo é um grande desafio.

    Penso que a pane eletronica por oxidação será o problema mais dificil de detectar, porque é intermitente.

    Tem que arrumar um jeito de soldar esses contatos.

    Faz algum tempo comprei um carro com 14 anos de uso, ele vivia com problemas nas lanternas e faróis, sempre queimando lampadas. A solução foi refazer a placa de circuito das lampadas das lanternas (porque as a venda eram de baixa qualidade) e soldar os contatos, soldei inclusive as lampadas. Zero de problemas e lampadas queimadas.

    Oxidação é um grande problema pra eletricidade.

    Boas velejadas :O) []s

    Resposta
    • 4 de fevereiro de 2021 em 5:09 PM
      Permalink

      Muito obrigado pelos comentários. Vamos procurar uma forma de soldar sim, mas antes de soldar os contatos. precisamos um sistema de fusível para que ele desarme em caso de curto.
      Depois sim, ótima solução .

      Resposta

Deixe uma resposta